2 de fev de 2015

Blue is The Warmest Colour - Prólogo

Louis concertou seu blazer enquanto olhava-se no espelho. Aquele era o dia mais esperado de toda aquela semana, era seu primeiro encontro com uma garota, mas não porque ele queria, e sim porque ele achava que era aquilo que tinha de fazer para que as coisas em sua vida continuassem como antes. Sam era uma boa garota, andava sempre com o pessoal do clube de matemática, mas se destacava com sua íris caramelada e seus cabelos ondulados naturalmente. Louis sentia que aquilo deveria fazer sentido, sentia que se todos a achavam bonita, ele teria de achar também, afinal, ele não queria ser o único da turma sem namorada e ainda virgem. Ainda olhando-se no espelho ele respirou fundo, precisava dar o próximo passo em sua vida, não poderia terminar o ensino médio sem ninguém.
— Aonde vai Tommo? — Sua irmã Charllote perguntou enquanto adentrava seu quarto, sem muito interesse em seu tom.

— Sair. —Ele suspirou.
— Vai a igreja? —Ela indagou percebendo seu tom desanimado em um meio sorriso.
Ele negou com a cabeça e franziu a testa.
— Hoje é sábado Lottie, por que eu iria à igreja?
— Sei la, você esta parecendo entediado e também com cara de enterro, sem contar esse blazer aí. —Ela sentou-se em sua cama, olhando-o bem.
Ele respirou fundo outra vez, repetindo a si mesmo que tudo iria correr bem, que não falaria nada desinteressante, e que tentaria não assustar Sam.
— Vou sair com uma garota. —Confessou.
— E pra onde vão? —Perguntou a menina, dessa vez, com interesse.
— Vamos ao cinema, acho que depois vamos jantar.
— E quem é? —Sorriu ela olhando-o instigada, tudo que ele pedia era a animação de Lottie naquele momento.
— Sam Grant. —Disse
— Ela é bonita... E inteligente.
— É... É o que dizem. —Ele sorriu, e rumou até a mesinha de seu quarto onde encontrava-se seu celular. Podendo ver que já estava um bocado atrasado para encontrar a moça.
— Eu preciso ir. —Disse ele

(...)

Louis e Sam após encontrarem-se rumaram ao restaurante Knoxville, onde a comida era tipicamente texana, e que Louis sabendo que os gostos de As, eram sempre variados decidiu leva-la, levando em consideração o conselho de Zayn. Que ele no caminho sorriu ao lembrar-se da empolgação do amigo, que muitas vezes não era tão empolgado, na verdade o rapaz não era lá de demonstrar qualquer sentimento que fosse
Estou dizendo Lou, leve-a lá, você vai chegar na escola na segunda, com uma namorada.

Era tudo que Louis queria, ou era tudo que ele achava que queria, pois no fundo aquilo não fazia sentido, Sam era uma garota legal, ele sabia disso, mas ao decorrer daquilo, ela não passava disso, de uma garota legal, uma garota interessante e legal, e aquilo o confundia, ele queria sentir-se atraído pela garota, queria beija-la, como também queria dar um passo a frente em sua vida.

Em meados dez da noite, Louis já sentia-se a vontade o suficiente com a garota para pegar sua mão, enquanto caminhavam pelas ruas movimentadas do centro da cidade. Mas algo chamou a atenção do moreno, e não foi o fato de que Sam estava a confessar o mesmo gosto musical do rapaz, e sim um homem. Ele vinha ao seu encontro, seu braço estava em volta dos ombros de um rapaz, entre uma gargalhada e outra ele vinha caminhando, tinha cabelos em leves cachos comportados, e neles um mesclar quase não visível de algumas mechas azuis. Louis o olhou, sem cerimônias, admirou o bonito e alto rapaz pelo tempo infinito que ele caminhou em sua direção, seu coração bateu em uma estranha sincronia desafinada, seus lábios ficaram secos e então... Os olhos do rapaz encontraram-se com os de Louis, que não se atreveu a deixar de encara-lo, em uma doçura e ingenuidade infinita, e os olhares continuaram-se firmes, até mesmo quando já haviam passado, Louis e o rapaz olharam para trás, e então quando Louis saiu de seu encanto, pensou que aquilo nunca mais aconteceria, que aquele estranho formigamento nunca mais aconteceria, mas Louis, estava completamente enganado. 

OI, oi, tudo bem gente? Espero que tenham gostado, continua? 

Um comentário: